Luana pode ser a primeira brasileira com Síndrome de Down a colar grau em Fisioterapia - Diário de Rondônia - Aqui Você Fica Bem Informado

Post Top Ad

ANUNCIE CONOSCO - (69) 98431 - 0154

Luana pode ser a primeira brasileira com Síndrome de Down a colar grau em Fisioterapia

Share This
Luana Dallacorte Rolim de Moura formou-se em Fisioterapia, ela apresentou o Trabalho de Conclusão do Curso com tema inovador e demonstrou foco nos futuros pacientes. Conheça a história. 
rondoniense-pode-ser-a-primeira-brasileira-com-sindrome-de-down-a-colar-grau-em-fisioterapia-1550770575


“Escolhi a fisioterapia porque amo as crianças e idosos, me identifico muito com cadeirantes, pessoas com síndromes, autistas e percebo que tenho a missão de tratar a saúde de todas as pessoas de uma maneira global”. Disse Luana Dallacorte de Moura, uma jovem de 24 anos com Síndrome de Down que se formou em fisioterapia pela Faculdade CNEC, na noite de ontem.

Ao contar sobre os seus planos e a futura relação com seus pacientes, Luana revela que pretende manter um diálogo específico e coerente com a família das pessoas especiais, instaurar uma comunicação sem tabus na hora fazer um diagnóstico ou propor um tratamento. “Não tenho nenhum preconceito de falar” completou ela ao revelar sua percepção particular da área em que pretende atuar.



“Meu trabalho de conclusão de curso focou no tratamento dos meus futuros pacientes” afirmou Luana ao explicar como foi seu TCC. Ela já visualiza uma área específica de atuação e se aprofundou na teoria e prática da “Gameterapia” aplicada na área da fisioterapia. O tema do TCC foi considerado inovador: “O tratamento de gameterapia nos portadores de paralisia cerebral”.



Para esta jovem, as pessoas com dificuldade de locomoção também precisam realizar mudanças de paradigmas mentais, ela considera fundamental aliar o treinamento cerebral com ferramentas como os games, ela entende que os pacientes demonstram limitações impostas pelo medo, “um cadeirante, por exemplo, pode sentir medo de caminhar”, no seu entendimento é possível aliar o treinamento cerebral através dos games para potencializar o processo das terapias físicas.

Superação pessoal

Luana disse que passou por altos e baixos nestes quatro anos de formação, muitos momentos exigiram que ela se superasse e foi necessária uma dose extra de dedicação pessoal, tendo em vista os limites impostos pela síndrome.

“Meu objetivo era passar com dignidade. Sou exigente comigo mesma e, de um modo geral, não olho para os meus limites.

Meu pai é testemunha, fechava a porta do meu quarto para estudar”, completou a jovem ao falar do esforço que fez para concluir o curso.

Luana diz que a família é a âncora. Usa esta metáfora para falar do porto seguro que seu pai e sua mãe representam. Ela se emociona ao falar da inspiração que encontra na mãe.


“Sou uma vencedora igual a minha mãe. Sigo de cabeça erguida e não tive medo”.


Luana afirma que tem um coração Cenecista, percebe a instituição que lhe acolheu, a Faculdade CNEC de Santo Ângelo, como uma casa em que iniciou uma nova vida, onde conquistou amigos eternos.

Os funcionários, ela compara com irmãos e considera os professores, seus mestres, que lhe ensinaram várias coisas da vida, comparou estes profissionais da educação com verdadeiros pais e mães.

Luana pode ser a primeira brasileira com Síndrome de Down a se formar na área em todo o Brasil. A Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down afirma que não tem conhecimento de outra pessoa com a síndrome que tenha se formado em fisioterapia.

O Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional – Crefito/RS informou que não faz estatísticas que registrem este tipo de informação e não soube confirmar o caráter de ineditismo, mas também não tem conhecimento de caso semelhante.



    FONTE : INFORONDONIA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad

ANUNCIE CONOSCO (69) 98431-0154